Artigos

A Páscoa e seu significado

O nome e o significado da palavra “páscoa”

O nome que a Bíblia Hebraica usa para denominar “páscoa” é pesah. A palavra pesah  significa: passar por cima, saltar por cima.

Na Bíblia, o nome de uma pessoa ou instituição é sempre um dado importante para se conhecer o que eles são e o que representam. O nome não é um simples rótulo, uma etiqueta ou uma fachada publicitária, mas ele exprime a realidade do ser que o carrega e representa. Assim é o nome “páscoa”.

A Instituição da Páscoa encontra-se em Êxodo 12.21-28.

– Em Êxodo  12: 1-20 Deus dá Moises e a Arão as instruções pra a celebração da Páscoa. Convocando os anciãos do povo, para preparar a festa da Páscoa

– Êxodo 12; 21-28, Moises e Arão da ao povo o motivo e instrução da celebração.

“Tomai um molho de hissopo, molhai-o no sangue que estiver na bacia e marcai a verga da porta e suas ombreiras, passará o Senhor aquela porta e não permitirá ao Destruidor que entre em vossas casas para vos ferir.”

¡Razão para celebrar a Páscoa – v. 23

“ Porque o Senhor passará para ferir os egípcios; quando  vir, porém o sangue no verga da porta e em ambas as ombreiras, e sobre os dois marcos, Ele passará adiante dessa porta, e Ele não permitirá que o exterminador entre em vossas casas para vos ferir.”

¡Ordem para a celebração da Páscoa – v. 24-25

“Observareis esta determinação como um decreto para vós e para vossos filhos, para sempre.

Quando tiverdes entrado na terra que Senhor vós dará, como disse, Observareis este rito.”

¡ Explicação sobre a festa e o significado da páscoa – v. 26-27a.

“Quando vossos filhos vos perguntarem: “Que rito é este?”

Respondereis: É o sacrifício da Páscoa ao Senhor, que passou por cima das casas dos filhos de Israel no Egito quando feriu os egípcios e livrou as nossas casas. Então o povo se inclinou e Adorou.  E foram os filhos de Israel e fizeram isso; como o Senhor ordenara a Moisés e a Arão, assim fizeram.”

ELEMENTOS DA PÁSCOA

  • CORDEIRO– Representavam o preço da redenção e libertação de Israel do Egito; o sacrifício.
  • OS PÃES AMOS– Revelavam a pressa com que abandonariam a terra do Egito. A farinha amassada sem ter recebido o fermento, por falta de tempo.
  • ERVAS AMARGAS– Ou alface agreste, recordavam a opressão do Egito, a amargura do cativeiro.
  • SANGUE– Representa a expiação.

RITUAL DA CELEBRAÇÃO DA PÁSCOA

  • Deveriam tomar para si o Cordeiro. Ex.12.3
  • A família deveria participar e comer todo o cordeiro. Caso a família fosse pequena, deveria juntar-se a outra vizinha. Ex.12.4
  • O Cordeiro seria sem mácula de um ano de idade e primogênito.
  • Deveria ser assado inteiro e comido com pães asmos e ervas amargas. Ex. 12.8.

SÍMBOLO NEOTESTAMENTÁRIO

O Cordeiro – Simboliza Cristo, a libertação do pecado – Jo.1.36.

João afirmou: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”.

  • Era sem defeito – Ex.125; I Pe. 1.18-19.
  • Foi sacrificado, no entanto seus ossos não foram quebrados. Ex. 12.46; Sl. 34.20; Jo. 19.36.
  • O sangue foi derramado para a expiação dos pecados: era o penhor da salvação. Ex. 12.13; I Jo. 1.7
  • Foi morto na páscoa. Mat. 26.26

Os pães asmos – Simbolizam pureza. O pão deveria ser sem fermento.

  • A proibição baseava-se em que o fermento é um agente de decomposição e servia de símbolo da corrupção moral.
  • Cristo, sem pecado, o Cordeiro de Deu sem defeito e sem mácula.

Ervas amargas – simbolizavam a amargura que o cordeiro iria passar e a amargura das almas humanas por causa do pecado. Hoje, todas as vezes que celebramos a Ceia do Senhor, relembramos o grande feito da nossa redenção feita não por cordeiro, não mais por um cativeiro físico, mas pelo próprio filho de Deus.

Sangue – A garantia do perdão – “sem derramamento de sangue não há remissão de pecados”, Heb. 9.22. O Sangue de Jesus Cristo, seu filho, nos purifica de todo o pecado. I Jo. 1.7. O pecado do homem foi coberto pelo sangue propiciatório do cordeiro de Deus.

Quando Deus olha para o pecador arrependido e coberto pelo sangue de Cristo a penalidade da morte é tirada.  Deus “passa por cima” e não nos condena a morte eterna.

Hoje não celebramos mais a páscoa judaica, mas como Jesus nos ensinou celebramos a Sua Morte e Ressurreição até que Ele venha.

( Mt 26:26-30; Mc 14:22-26; Lc 22:19-20; I Co 11:23-25).

“…pois também Cristo nosso Cordeiro pascal foi imolado. Por isso celebremos a festa…” I Co 5:7-8