Primícias dos que dormem | Anunciando a Ressurreição Até os Confins da Terra

“Mas na realidade Cristo foi ressuscitado dos mortos, sendo ele as primícias dos que dormem.”

(1ª Coríntios, capítulo 15, versículo 20).

O capítulo 15 da Primeira Carta aos Coríntios contém a defesa do apóstolo Paulo contra um grupo de pessoas que negavam a ressurreição de Jesus (vs 12). O argumento usado por Paulo está baseado nas “Escrituras” (vs 3-4), portanto, quem nega a ressurreição de Jesus, nega as Escrituras.

Na sua segunda carta a Timóteo, Paulo declara que toda a Escritura é inspirada por Deus (2ª Timóteo, capítulo 3, versículo 16).

Em última análise, negar as Escrituras é negar a Deus.

Na Bíblia existem vários relatos de ressurreição de mortos, tanto no Antigo Testamento como no Novo Testamento. Porém, somente a ressurreição de Jesus foi com um corpo transformado, não mais sujeito às leis da Física (Lucas 24, versículos 30 e 31 e João 20, versículos 19 e 26), também chamado de corpo glorificado. Paulo faz referência a isto quando diz que Cristo é as Primícias dos que dormem (1ª Coríntios 15, versículo 20) e depois, nos versículos 50 a 58, onde ele afirma que todos seremos ressuscitados e/ou transformados, recebendo um corpo semelhante ao dEle.

Na verdade, todos os seres humanos receberão um corpo transformado. Contudo, muitos estarão sendo atormentados por toda a eternidade, banidos da presença de Deus. Isto acontecerá no dia do Juízo Final citado em Apocalipse 20, versículos 11 a 15.

Para que possamos participar da Primeira Ressurreição (dos salvos) – Apocalipse 20, versículo 4 – é necessário crer no Evangelho, que anuncia:

“Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras”.

(1ª Coríntios 15, versículos 3 e 4).

Por isso a doutrina da ressurreição é tão combatida pelos incrédulos, pois ela afirma que haverá uma prestação de contas diante de Deus no final dos tempos. Quando o apóstolo Paulo pregou no areópago em Atenas, ao ouvirem da ressurreição de Jesus, muitos zombaram e outros se recusaram a continuar ouvindo (Atos 17, 30 a 33).

A ressurreição de Jesus é a garantia da vida eterna a todos que nEle creem.

A ressurreição de Jesus é o divisor de águas da história da humanidade, a qual está dividida em duas partes: aC – antes de Cristo e dC – depois de Cristo.

A ressurreição de Cristo é um fato e deve ser proclamado a todos os povos, pois, em breve Ele virá para nos resgatar. (Apocalpise 22, versículos 10 a 21).

Aleluia!


Para artigos semanais em seu e-mail, inscreva-se!